Categoria: Linux

Anti aliasing no Debian Squeeze

Segundo o pŕoprio Wiki do Debian, o Squeeze apresenta uma qualidade inferior na renderização das fontes se comparado com distribuições derivadas dela mesmo, como Ubuntu e Mint. A explicação estaria nos pacotes do Cairo que tiveram atualizações significativas e que só serão incorporadas ao Wheezy (nova versão do Debian).

Mas é possível melhorar esta configuração, em seu diretório Home crie um arquivo chamado “.fonts.conf” com o seguinte conteúdo:


<?xml version='1.0'?>
<!DOCTYPE fontconfig SYSTEM 'fonts.dtd'>
<fontconfig>
 <match target="font">
  <edit mode="assign" name="rgba">
   <const>rgb</const>
  </edit>
 </match>
 <match target="font">
  <edit mode="assign" name="hinting">
   <bool>true</bool>
  </edit>
 </match>
 <match target="font">
  <edit mode="assign" name="hintstyle">
   <const>hintslight</const>
  </edit>
 </match>
 <match target="font">
  <edit mode="assign" name="antialias">
   <bool>true</bool>
  </edit>
 </match>
  <match target="font">
    <edit mode="assign" name="lcdfilter">
      <const>lcddefault</const>
    </edit>
  </match>
</fontconfig>

Reinicie o servidor X e o anti aliasing será aplicado em todas as fontes do sistema.

Evidentemente os parâmetros deste XML podem ser customizados:

-hintstyle aceita os valores: hintfull, hintmedium, hintslight e hintnone.

-rgba aceita os valroes RGB, BGR, V-RGB e V-BGR.

-lcdfilter aceita os valores lcddefault, lcdlight, lcdlegacy e lcdnone.

Em meus testes houve uma melhora significativa, principalmente diminuido o tamanho das fontes (costumo usar sans 8), mas não chegou ao nível do Ubuntu e Mint. Alguns programas não reconheceram as configuraçẽos e continuaram com as fontes embaralhadas como o Opera e o Evince.

Anúncios

Há dez anos atrás…

Em 2002 tive meu primeiro contato com o Linux, estava no segundo ano de faculdade e instalei o Mandrake 8.

Ainda tenho o CD até hoje, veio na revista CD Expert.

CD Mandrake8

CD Mandrake8

Para relembrar fiz uma instalação em uma máquina virtual:

Mozilla

Mozilla

Konqueror

Konqueror

Mandrake Control Center

Mandrake Control Center

Gnome

Gnome

Análise do Linux Mint 12 Versão Gnome3

Depois de utilizar por quase um ano a excelente versão 11, chegou a hora de testar o Linux Mint 12, o primeiro baseado no Gnome3.

O Gnome3 tem divido opiniões desde o seu lançamento, por mudar de forma radical, a maneira de usarmos o desktop, em uma clara tentativa de se adaptar para dispositivos móveis ou que utilizam touch screen como principal interface. Independente de ser ou não melhor que o Gnome2, acredito que mudanças radicais não devem ser incorporadas em projetos estáveis e de grande uso pela comunidade. Existe uma resistencia em apenas manter um software estável, os desenvolvedores ficam afoitos para incorporar recursos e as vezes erram a mão. Acredito que o pessoal do Gnome deveria ter feito como o KDE, que criou um projeto a parte para seu desktop para dispositivos móveis, o Plasma.

Já havia testado por pucas horas o Gnome3 no Fedora e comprovei o que Linux Torvalds disse recentemente ( http://tecnoblog.net/72647/gnome-3-linus-torvalds/ ), muitas coisa básicas que fazemos no dia-a-dia, sem nem perceber, mudaram (e para pior) no Gnome3.  É preciso dar muito mais cliques para executar tarefas rotineiras. Também não me adaptei nem um pouco a falta da barra de tarefas e menu de aplicações. Mas até ai tudo bem, é questão de costume. Além do mais, esta primeira experiência baseou-se numa versão pura do Gnome3, e o Mint 12 vem com uma série de aplicativos (chamados de Mint Gnome Shell Extensions) para deixar o Gnome3 mais próximo de um desktop tradicional, entre eles a barra de tarefas e o Mint Menu.

E a primeira impressão foi boa, um desktop bonito e com o estilo Linux Mint já conhecido (Mint Menu, barra de tarefas, etc). A performance caiu um pouco, ele é visivelmente mais lento que o Mint 11, mas até aí tudo bem. Também vem com aplicações atualizadas, thunderbird, Firefox, Libre Office… tudo beleza.

Vamos dar uma olhada no gerenciador de arquivos e opa! Cadê os botões acima, voltar, home… não tem! Verifiquei em todas as configurações e não encontrei. Pesquisei na internet e realmente essas opções foram removidas ( http://www.omgubuntu.co.uk/2012/07/is-the-new-nautilus-a-step-in-the-direction-poll ).

O gerenciador de arquivos é crucial em um ambiente gráfico, a situação do novo Nautilus é tão grave que até mesmo o pessoal do Mint e do Ubuntu está estudando substituí-lo. Tive que recorrer a um aplicativo do Mate, o Caja File Manager, antigo Nautilus do Gnome2. E se o Mint não viesse também com o Mate?

Mais algumas horas de uso e percebo que vários aplicativos de configuração do sistema ( http://projects.gnome.org/gst/ ) foram modificados e para pior (como a assitente para adicionar impressoras que já comentei aqui no blog). Ou seja, com poucos dias de uso eu já havia sido obrigado a recorrer a vários aplicativos Gnome2 (Mate) e ainda não havia percebido nenhuma vantagem no Gnome3. Foi então que o modo gráfico começou a ficar instável e a travar com frequencia. Foi a gota d’agua. Baixei o Xfce e encerrei meus testes com Gnome3.

Conclusão, fuja (por enquanto) de qualquer distribuição com o Gnome3! O pessoal do Mint está trabalhando muito para oferecer um desktop moderno e ao mesmo tempo com um mínimo de usabilidade, mas está difícil, o Mint Gnome Shell Extensions evolui para o Cinnamon, um ambiente gráfico completo mas ainda baseado no Gnome Shell e seu gerenciador de janelas Muter. Espero que o objetivo seja atingido (não é difícil, pois o pessoal do Mint é realmente muito bom).

Espero em breve testar o Mint Cinnamon e ter uma boa surpresa!

O Xfce está carregando o desktop do Gnome ?

Esta situação aconteceu comigo usando o Mint 12 (versão Gnome3) com o desktop Xfce (baixado manualmente, não é o Mint 13 Xfce). Após executar o Caja File Manager, o Desktop padrão do Xfce simplesmente é trocado pelo desktop do Mate  (Gnome2).  Acredito que existe uma configuração global que impede isso, mas ainda não decobri. No caso do Caja a solução é criar um lançador passando os parametros conforme abaixo:

caja –no-desktop

O problema é que nem todos os aplciativos possuem esta opção, o programa de captura de tela, por exemplo, não aceita este parâmetro e toda vez que é executado o desktop Gnome2 é carregado…

Configurando o Mint Lxde para iniciar uma sessão do Xfce

O Xfce tem chamado cada vez mais atenção devido a alguns fatores:

-A busca por novos ambientes desktops depois da decepção com a nova versão do Gnome.
-Melhora constante em cada lançamento.
-Lançamento de uma versão do Linux Mint focada no Xfce.

Para quem já havia feito a opção por um desktop mais leve e utiliza o Mint Lxde, não é necessário formatar seu computador, a instalação de ambos os ambientes é possível e até recomendada devido ao ganho de opções com relação aos aplicativos.

Para se instalar o Xfce no Mint Lxde não tem segredo:
sudo atp-get install xfce4

A instalçao ocorre sem problemas, o Lxdm (gerenciador de logins do Lxde) reconhece o novo ambiente gráfico mas não consegue iniciar a seção do Xfce.
A solução é instalar outro gerenciador de logins como o GDM ou Lightdm. Ex:
sudo apt-get install gdm

Durante a instalaçao o sistema lhe perguntará qual o gerenciador de login padrão, escolha a nova opção.

Configurar impressora de rede no Mint 12

Continuando os testes com a nova versão (Linux Mint 12 com Cinnamon), descobri um erro básico, algo que resolviamos tranquilamente na versão anterior e agora simplesmente não funciona e precisamos recorrer a um aplicativo antigo para resolver o problema.

Quando acessamos o menu “Configurações de sistema” >> “Impressoras” a janela abaixo será aberta:

print

Este é o assistente de impressão padrão do Mint 12

Não sei se esta aplicação faz parte do Gnome 3 ou é um dos adicionais do Mint, mas o fato é que ela simplesmente não funciona para impressoras de rede (impressoras locais eu não testei). Ele até localiza alguns modelos na rede, mas não consegue identificar o driver ou o ip correto. No caso da imagem acima a impressora já aparece corretamente configurada, mas só porque a configuração foi feita por outro aplicativo.

Após uma rápida pesquisa descobri a dica no Blog Mad2ogs

Para instalarmos impressoras de rede no Mint 12 precisamos digitar o comando system-config-printer e será aberto o bom e velho aplicativo de configuração de impressoras da versão antiga do Mint:

imprimir_mint_12

O bom e velho aplicativo de configuração de impressora das versões antigas do mint.

 

 

 

Caja File Manager – Usando o Nautilus 2x no Cinnamon

Tenho testado o Mint 12 com Cinnamon e ele é realmente muito bom, trata-se de uma versão mais bonita e moderna que o Gnome 2, mas sem mudar as operações básicas dos desktops as quais já conhecemos e estamos acostumados há anos  (não é uma interface para tablets como o Unity ou o Gnome3, mas isso é assunto para um futuro post).

No Cinnamon, o gerenciador de arquivos padrão é o Nautilus 3x que traz mudanças significativas na barra de tarefas e no painel lateral, por exemplo, os botões Acima, Recarregar, Home, Parar, etc… simplesmente não estão presentes nesta barra e (até agora) não encontrei nenhuma configuração para exibi-los.

nautilus3

Configuração padrão do Nautilus 3 com a barra de ferramentas sem os classicos botões “Acima”, “Recarregar”, “Home”, etc

Mas se você está usando o Mint 12 ou 13 provavelmente tem instalado também o Mate (fork do Gnome 2) e seus aplicativos. Cada aplicação do Gnome 2 tem o seu correspondente no Mate, porém com nomes diferentes, no caso do Nautilus ele se chama Caja, então para de volta o bom e velho Nautilus 2x basta executar o comando Caja.

caja file manager

Caja File Manager, o Nautilus clássico.